Artigo

Mais medidas precisam-se

Mais medidas precisam-se

Por Marco Martins, Presidente da Câmara Municipal de Gondomar e Presidente da Comissão Distrital da Proteção Civil do Porto

Estamos numa verdadeira guerra contra um inimigo invisível que está a destruir Portugal e o Mundo!
Apesar de pela primeira vez estarmos em estado de emergência, os portugueses ainda não se convenceram do risco que correm. Continuam a caminhar em grupo, a conversar nas praças e largos e com convívios nas suas casas. E o vírus a espalhar-se e o número de infetados a subir exponencialmente! E subirá mais quando os testes forem feitos em massa.
As forças de segurança tentam sensibilizar, mas pouco mais podem fazer contra aqueles que circulam indevidamente e que continuam a prevaricar.
O Governo decretou medidas numa primeira fase, a que grande parte dos cidadãos fez “ouvidos moucos”. É pois urgente alterar a legislação, impedir as caminhadas, os convívios na via pública, clarificar as proibições ao funcionamento de alguns estabelecimentos e permitir uma intervenção musculada da PSP, da GNR e das Polícias Municipais para que todos os cidadãos cumpram, no mínimo dois metros de distância, onde quer que estejam!
Se não mudarmos radicalmente de comportamentos, chegaremos à Páscoa piores do que a Itália, em número de infetados e de mortes.
A situação é séria, muito séria!
Dependemos da consciência e do comportamento de cada um!
Na falta dessa consciência, terão as autoridades que ter suporte legal para a impor. Estamos no limite, mas ainda vamos a tempo!
E apenas se pede que fique em casa!
Evitar mortes, depende de si!

Artigo de Opinião publicado no Jornal de Notícias a 27 de março de 2020

344 Visualizações