PS VAI PEDIR MAIOR INTERVENÇÃO DA ACT NO SETOR DA BANCA

Uma delegação do Partido Socialista, liderada pelo eurodeputado e Presidente da Federação Distrital do Porto, Manuel Pizarro, reuniu com a direção do SBN / Sindicato dos Trabalhadores do Setor Financeiro de Portugal para examinar a grave situação social e laboral no setor.

A delegação socialista foi recebida por Mário Mourão, presidente do SBN, acompanhado por vários elementos da direção. Segundo Mário Mourão, “este é o momento mais difícil da vida dos bancários”. As instituições bancárias estão a levar a cabo o despedimento coletivo de mais de 3.000 trabalhadores, cerca de 20% da força de trabalho do setor.

Este despedimento coletivo está encapotado sobre a forma de rescisões por mútuo acordo, a que muitos trabalhadores são coagidos, ou com acordos para reforma antecipada, aumentando os encargos do Estado. Em muitos casos, os trabalhadores despedidos são substituídos por outros, contratados em regime de outsourcing, promovendo a precariedade e o trabalho com direitos reduzidos. Ao mesmo tempo, os bancários são forçados a trabalhar fora do seu horário, sem quaisquer compensações.

Por tudo isto, o PS vai pedir, na Assembleia da República, a audição dos responsáveis da ACT / Autoridade para as Condições do Trabalho. Impõe-se uma ação determinada para conter o desrespeito pelas leis laborais e pelos direitos de quem trabalha.

A situação atual é particularmente lamentável quando vivemos ainda no contexto da pandemia pela Covid-19 e depois de, nos últimos anos, o Estado ter apoiado fortemente o setor bancário, permitindo a sobrevivência de várias instituições. O Millennium BCP e o Santander, dois dos bancos envolvidos nestes despedimentos, lucraram em Portugal, em 2020, quase 500 milhões de euros.

Além de Manuel Pizarro, a delegação socialista incluiu os deputados Tiago Barbosa Ribeiro e Joana Lima e o dirigente distrital Artur Penedos.

319 Visualizações