PS compromete-se a baixar o preço da água em Vila do Conde

Vítor Costa e Manuel Pizarro afirmam que concessão da água em Vila do Conde tem que ser negociada para acabar com gravíssima injustiça. Os vilacondenses pagam a terceira tarifa de água mais cara do país.

O elevado preço da água em Vila do Conde é uma preocupação do Partido Socialista, que destaca este tema como uma das suas prioridades. Os vilacondenses pagam uma fatura avultada, que resulta de sucessivos aditamentos que desvirtuaram o contrato inicial da concessão, tornando a tarifa da água em Vila do Conde a terceira mais cara do país.

Vítor Costa, candidato do Partido Socialista à Câmara Municipal de Vila do Conde, aponta que o caminho da negociação é o ideal. “Privilegiarei a via da negociação e do diálogo. Colocam-se aqui duas hipóteses claras. A primeira passa pela empresa concessionária reduzir substancialmente o preço da água, tornando-o aceitável e justo em comparação com outros municípios. A segunda, que será o último recurso, caso a via negocial não dê frutos poderá passar pelo resgate da concessão”, disse o também presidente da Comissão Política Concelhia de Vila do Conde do PS em conferência de imprensa.

Vítor Costa compromete-se a “resolver este problema e eliminar esta gravíssima injustiça”. O candidato do PS, que conhece bem a realidade no terreno sabe que esta é uma questão que muito afeta a vida dos munícipes de Vila do Conde: “Estamos próximos das pessoas e sabemos que este é um tema absolutamente fraturante e fundamental para os vilacondenses e há aqui uma diferente abismal entre a nossa posição perante este problema e a completa inação e cedência por parte da Câmara Municipal. Como cidadão e como candidato à Câmara de Vila do Conde, sendo eleito presidente de Câmara, irei combater por todas as formas legítimas esta enorme injustiça e corrigir aquilo que não foi uma boa solução para Vila do Conde e para os vilacondenses”, disse Vítor Costa.

A concessão da água em Vila do Conde foi firmada com a empresa concessionária ainda quando o Partido Socialista estava no poder. “Sinto uma legitimidade reforçada para encarar este problema porque eu próprio enquanto vereador na Câmara Municipal votei esta concessão a uma entidade privada, na altura convicto como todos os membros do executivo que tiveram o mesmo sentido de voto, de que era uma boa solução. Hoje esta solução está completamente desvirtuada por sucessivos aditamentos a esse contrato inicial. Aquilo que nós votamos na altura, hoje não existe”, revelou Vítor Costa.

A solução era “extremamente interessante sob o ponto de vista financeiro e técnico, permitiria a cobertura total do concelho com redes de água e saneamento e um investimento inicial na ordem dos 80 milhões de euros, com uma renda que a empresa concessionária se comprometia a pagar à Câmara muitíssimo substancial”. Segundo o candidato socialista, “este cenário foi totalmente modificado por vários aditamentos de iniciativa municipal. Hoje temos uma concessão que prevê um investimento de cerca de metade. A renda que inicialmente foi celebrada, hoje está reduzida a um terço. A câmara decidiu assumir um conjunto de obras que estavam previstas no contrato inicial, sendo exemplo escandaloso o caso da construção das mini ETAR’s na União de Freguesias de Bagunte, Parada, Outeiro e Ferreiró que estavam inicialmente previstas. O mesmo se passa na manutenção da rede viária”.

Manuel Pizarro:  PS é um bom exemplo na gestão da água no distrito do Porto

O problema do preço da água “não é exclusivo de Vila do Conde”, como afirmou Manuel Pizarro, presidente da Federação Distrital do Porto do Partido Socialista. Contudo, “no distrito do Porto, o PS já tem trabalho feito nesta matéria. Preocupa-nos as desigualdades excessivas no preço da água e a dimensão desta desigualdade em Vila do Conde é inaceitável”.

Entre os bons exemplos de negociação das concessões da água no distrito do Porto, Manuel Pizarro destacou os casos de Paços de Ferreira, Paredes, Marco de Canaveses e Santo Tirso. “O processo ainda não está totalmente resolvido, mas a verdade é que com o PS na Câmara, os cidadãos de Paços de Ferreira pagam hoje 50% da tarifa da água que pagavam antes de o PS estar na Câmara. No Marco de Canaveses, onde o PS ganhou a Câmara pela primeira vez em 2017, estamos a muito pouco tempo de chegar a um acordo com uma empresa concessionária, que resolva o conflito pendente, desde que em 2008 foi decidido baixar unilateralmente o preço da água, depois de um acordo que tinha sido negociado em 2004 por um período de 30 anos. Recentemente, a Câmara de Santo Tirso anunciou que implementará uma redução, no mínimo, de 35% da tarifa da água e, se for necessário, admite até resgatar a concessão, tendo apresentado os fundamentos financeiros dessa operação”, salientou o também eurodeputado.

Manuel Pizarro está convicto de que “há boas razões jurídicas, económicas e financeiras para se proceder a este acerto tarifário em Vila do Conde. Quero exprimir aqui a nossa total solidariedade e o total apoio do PS, um apoio de natureza política, jurídica e técnica, porque trata-se de corrigir uma situação que é uma situação injusta”. O líder do PS no distrito do Porto espera “que não seja necessário resgatar a concessão e que seja possível fazer uma negociação” mas, ao mesmo tempo, afirma que “acima de tudo estão os vilancondenses. Se for necessário, far-se-á essa operação mais difícil que está aliás prevista na lei e no contrato. O que não podemos aceitar é que fique tudo na mesma”.

O presidente da Federação Distrital do Porto do PS tem “muita confiança de que será Vítor Costa, quem em outubro, como presidente da Câmara de Vila do Conde, dará início a essas negociações. Garantimos o total apoio do Partido Socialista a todos os níveis, regional e nacional, a esta intervenção”.

220 Visualizações