Artigo

PS celebra Dia Internacional da Mulher no Porto: Da Cidade às Carquejeiras

PS celebra Dia Internacional da Mulher no Porto: Da Cidade às Carquejeiras

No Dia Internacional da Mulher o PS homenageou as mulheres da cidade do Porto num ato público de grande significado político que afirmou a necessidade de continuar a luta pela igualdade e pela paridade, partindo do exemplo das carquejeiras.

A Federação Distrital do Porto do Partido Socialista associou-se na manhã deste domingo à celebração do Dia Internacional da Mulher organizada pela Concelhia do PS Porto. Na Alameda das Fontaínhas, no Porto, mulheres e homens juntaram-se num ato simbólico repleto de significado político para enaltecer que é imperativo continuar a luta pela igualdade de género.

Junto à Estátua “Da Cidade às Carquejeiras” da autoria do escultor José Lamas, a militante do PS Porto e ex-deputada na Assembleia da República, Julieta Sampaio, partiu do exemplo das carquejeiras, que transportavam a carqueja, a “acendalha da época”, à cabeça até à zona alta da cidade do Porto. Julieta Sampaio defendeu, assim, que a luta destas “heroínas incógnitas” que “de uma forma anónima fizeram do seu percurso de vida uma luta constante” exige que se avive a memória das mulheres de hoje, porque a “luta” pela igualdade de género “está longe de estar terminada”.

Manuel Pizarro, presidente da Federação Distrital do Porto do PS vincou que “a luta das mulheres pela igualdade não está fora de moda e não está resolvida”. Num novo local emblemático, junto à estátua das carquejeiras, Manuel Pizarro disse que “este local é muito raro, quase inexistente” na cidade do Porto uma vez que presta “homenagem àqueles que trabalham, sendo representativo da classe trabalhadora”, que liderou o combate pela liberdade e pelos valores democráticos. Se hoje em dia “já não lutamos pela igualdade de voto” é importante não esquecer, segundo o líder federativo, que “a verdade é que se olharmos para a sociedade portuguesa ainda vemos desigualdade. A desigualdade salarial entre mulheres e homens que desempenham as mesmas funções”. Manuel Pizarro sublinhou que “não podemos conviver com a violência de género” e com os atos de violência doméstica, frisando que “ainda há muito a fazer para que haja uma efetiva igualdade de género, e isso não é indiferente ao Partido Socialista”, garantiu o presidente da Federação Distrital do Porto.

Tiago Barbosa Ribeiro começou por defender que tem “muito orgulho” em se afirmar como “feminista”. O presidente da Concelhia do PS Porto, constatou que “as mulheres não são uma minoria, mas continuam a estar sub-representadas”, sendo por isso “muito importante” celebrar o Dia Internacional da Mulher que “continua a ser um dia de luta”. Apesar dos progressos já alcançados no incremento da paridade, por exemplo, através da implementação de quotas de género nas empresas e dentro do próprio PS, o papel do Partido Socialista prossegue como força determinante para “lutar por aquilo que ainda falta fazer”. Por isso, “onde há desigualdade de género, tem que haver um socialista para a combater”, disse Tiago Barbosa Ribeiro. Também o presidente do PS Porto lembrou as carquejeiras, “mulheres invisíveis de uma sociedade estratificada da cidade burguesa”, dizendo que o Porto contará com o PS “para dar voz a essa cidade que está para lá da cidade visível”, asseverou Tiago Barbosa Ribeiro.

Nesta homenagem, a estrutura concelhia do Porto das MS-ID, Mulheres Socialistas – Igualdades e Direitos, liderada por Cláudia Salazar, esteve representada por Ana Paula Correia, membro do secretariado das MS-ID do PS Porto. A celebração do Dia Internacional da Mulher contou ainda com Arminda Santos da Associação de Homenagem às Carquejeiras do Porto, que recordou “que ao longo deste tempo poucas foram as páginas escritas sobre as mulheres portuenses, e sobretudo, sobre as mulheres trabalhadoras do Porto” retratadas na Alameda das Fontaínhas na estátua das carquejeiras “perdidas na ilusão de uma cidade nova”. A celebração terminou com a simbólica deposição de uma coroa de flores no monumento, como tributo à resiliência e ao esforço de todas as mulheres na consolidação de uma sociedade cada vez mais igual.

O PS tem reforçado o compromisso em afirmar e consolidar os valores da igualdade de género, na constituição da paridade como premissa determinante para o fortalecimento da democracia.  Este momento de homenagem e de celebração assinalou ainda o incremento da representação política das mulheres na organização institucional do PS, patente nas eleições das estruturas concelhias políticas das Mulheres Socialistas realizadas pela primeira vez em todo o país no passado dia 1 de fevereiro.

494 Visualizações