Artigo

COVID-19: Governo exclui cerca sanitária ao Porto

COVID-19: Governo exclui cerca sanitária ao Porto

O Secretário de Estado da Saúde, António Lacerda Sales esclareceu que fixar uma cerca sanitária no Porto não faz sentido nas circunstâncias atuais, não havendo indicações para a concretização da medida.

Uma cerca sanitária no Porto devido à pandemia de Covid-19 não faz atualmente “qualquer sentido”. A garantia foi deixada esta terça-feira pelo Secretário de Estado da Saúde, António Lacerda Sales, na conferência de imprensa diária do Ministério da Saúde e da Direção-Geral de Saúde sobre a atualização da informação sobre o novo Coronavírus.

“A fixação de cercas sanitárias é antecedida de notificações de calamidade pública. É decidida em situações normais pelo Conselho de Ministros, ou por despacho do Primeiro-Ministro e Ministro da Administração Interna, em caso de urgência. São decisões sustentadas na avaliação do risco feita pela Autoridade de Saúde. No caso do Porto, não houve indicação da autoridade de saúde nesse sentido e não faz sentido essa situação”, afirmou o Secretário de Estado da Saúde.

António Lacerda Sales reafirmou, assim, que uma decisão de estabelecimento de um cordão sanitário em qualquer localidade terá sempre de ser sustentada por uma avaliação de risco.

A ideia de impor uma cerca sanitária ao Porto, já descartada pela Direção-Geral de Saúde depois de uma análise mais profunda ao número de casos de pessoas infetadas por Covid-19 no concelho, foi, desde logo, contestada por Manuel Pizarro, presidente da Federação Distrital do Porto que considerou o alegado cordão “completamente despropositado”. Em declarações à Agência Lusa e numa entrevista à TVI24 a partir de sua casa, esta segunda-feira, o líder federativo explicou que  “a cidade do Porto funciona, em relação a diversos serviços essenciais, com uma interdependência tal dos municípios vizinhos, da Área Metropolitana do Porto (AMP) e da região, que esse cerco é uma impossibilidade prática”

Manuel Pizarro sobre a situação da pandemia por Covid-19 no Porto, em entrevista à TVI24 via Whatsapp

Segundo Manuel Pizarro, “o alegado cerco sugerido pela Direção-Geral da Saúde iria criar muitos mais problemas do que ajudar ao esforço contra a propagação do vírus”. À TVI24, o presidente da Federação Distrital do PS, no quadro desta “realidade nova que implica alguma readaptação a cada momento”, referiu que a medida é “impraticável” também porque “o problema não está infelizmente restrito à cidade do Porto, há nos municípios vizinhos muitos casos confirmados pelo novo Coronavírus”. Manuel Pizarro sustentou que “uma medida deste tipo se tivesse que ser implementada tinha que ser antes intensamente preparada”, inclusive pelas autarquias e pelas entidades regionais, como a Área Metropolitana do Porto.

*Fotografia da conferência de imprensa com o Secretário de Estado da Saúde, António Lacerda Sales. Fonte: www.portugal.gov.pt

339 Visualizações