Artigo

AUTARCAS SOCIALISTAS DEFENDEM REDUÇÃO DAS PORTAGENS NA A41

826 Visualizações

Autarcas socialistas defendem redução das portagens na A41

A A41, também conhecida por Circular Regional Exterior do Porto (CREP), não está a conseguir retirar o trânsito de atravessamento dos núcleos urbanos e da VCI. O motivo, referem os autarcas socialistas do Grande Porto, poderá estar no preço das portagens, pelo que sugerem a sua redução.

Eduardo Vítor Rodrigues, presidente da Câmara de Vila Nova de Gaia, defende a redução das portagens e diz que “é necessário pensar em condicionamentos que aliviem as pontes do Freixo e da Arrábida”. O autarca socialista acrescenta ainda que a CREP “está muito subaproveitada e longe de contribuir como devia para o alívio do trânsito”.

Já para Marco Martins, presidente da Câmara de Gondomar, “a CREP é muito importante nas várias ligações internas e metropolitanas”. No entanto, o autarca sublinha que “as portagens são caras nas ligações concelhias” e chama a atenção para o “enorme défice de sinalização, nomeadamente na A1”. Desta forma, Marco Martins apela a “um maior investimento na sinalização por parte das Infraestruturas de Portugal”.

Também o presidente da Câmara de Valongo mostra o seu desagrado com o subaproveitamento da CREP. José Manuel Ribeiro considera que “a A41 veio aumentar a competitividade de Valongo, tornando [o concelho] mais estratégico na Área Metropolitana”. Como tal, o autarca defende que é necessário “reduzir os preços que são elevados”.

Na mesma linha dos autarcas socialistas está Rui Moreira, que considera que a estratégia de construir a CREP como forma de amenizar o trânsito, “falhou drasticamente”. O presidente da autarquia portuense defende, igualmente, a redução das portagens: “se a lógica de cobrança de portagens na CREP não se inverter, será difícil melhorar de forma decisiva o ambiente e a mobilidade”.

Os autarcas do Grande Porto querem, desta forma, reverter o subaproveitamento da via e torná-la mais atrativa, eliminando os fatores que possam contribuir para o desincentivo à sua utilização.